Startup brasileira conquista maior base de dados digitalizados sobre pulverização agrícola no mundo

Perfect Flight bateu 10 milhões de hectares monitorados neste mês, atingindo novo patamar nos negócios; agora, é a décima maior do mundo em área digitalizada

A startup brasileira Perfect Flight chegou ao mercado há cinco anos com uma solução inovadora e disruptiva, capaz de oferecer inteligência de dados detalhados para aplicação aérea de defensivos agrícolas. Desenvolvida por profissionais brasileiros, a tecnologia promoveu avanços na cadeia de rastreabilidade de agroquímicos, permitindo um monitoramento preciso, rentável e sustentável. Situação que fez a AgTech atuar ao lado das principais companhias agrícolas e de produtores rurais do país, validando dados e orientando para uma performance eficaz, e alcançar recentemente a maior base de dados digitalizados sobre pulverização da agricultura mundial.

Essa conquista é consequência de mais um novo passo na evolução da empresa: neste mês, a Perfect Flight atingiu a marca de históricos 10 milhões de hectares monitorados, com um média de processamento de 100mil hectares/dia. “Esse volume de dados e a inteligência gerada por eles chancela a importância do uso da ferramenta em diferentes culturas – soja, milho, algodão, laranja, florestas, cana-de-açúcar, arroz e hortifrúti –, impactando em tomadas de decisões cada vez mais assertivas e, até mesmo, preditivas”, diz Leonardo Luvezuti, diretor de negócios da AgTech.

Ainda de acordo com Luvezuti, ter o maior banco de dados da pulverização mundial auxilia a posicionar o país com ainda mais força no cenário agro, inclusive desmistificando a atividade da aviação agrícola, que completa 74 anos no Brasil e 100 anos no mundo em 2021. “Ter a gestão dos dados mostra a preocupação e a evolução da agricultura brasileira, já que impulsiona a capacidade de geração de insights na busca por aumento de eficiência, redução de custos e melhoria nos índices de sustentabilidade e de proteção do entorno, do meio ambiente e de áreas de preservação. Cenários que melhoram constantemente com o uso das soluções da Perfect Flight.”

A aviação agrícola está presente em 24 estados brasileiros, atuando em todas as lavouras estrategicamente importantes para o Brasil. O presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), Thiago Magalhães Silva, ressalta que a atividade é ferramenta de segurança alimentar e sustentabilidade. “Possui alta tecnologia embarcada e é a única ferramenta para o trato de lavouras com regulamentação específica. Sem falar que é a que mais tem exigência de alta formação técnica do pessoal envolvido nas atividades de campo”, explica.

A força produtora do Brasil

Em 2020, a população mundial chegou a 7,8 bilhões de pessoas e estimativas da ONU apontam que esse número deve chegar a 9,8 bilhões em 2050. E, lá em 2012, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) já estimava que, para alimentar esse incremento da população, seria preciso aumentar entre 70% e 80% a produção de alimentos. Nos últimos 40 anos, conforme evidencia o presidente da Sindag, o Brasil aumentou a produção em mais de 200% e, agora, já exporta para mais de 150 países.

Paralelamente, estudos da Embrapa e da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) indicam que mais de 65% da vegetação nativa brasileira está preservada e que mais de 25% da área do país está conservada dentro das fazendas, o equivalente a aproximadamente 50% da área total dos imóveis rurais. “Para manter esse nível de preservação ambiental e atingir parâmetros de produtividade que atendam à necessidade de alimentos, é preciso tecnologia. Tanto na ponta, dentro da lavoura, quanto no auxílio à gestão. No caso da aviação agrícola, trabalhamos forte estas duas faces: tecnologia embarcada e gestão, para consolidarmos a reputação de eficiência, e sustentabilidade”, diz Silva.

Os resultados da busca por eficiência da aviação agrícola, inclusive, podem ser avaliados a partir de dois fatores, de acordo com o Sindag: o crescimento da frota – que tem ficado na faixa dos 3% nos últimos anos; hoje, a frota aeroagrícola brasileira é de cerca de 2,3 mil aeronaves – e o número de horas médias voadas por ano. Conforme cálculos do sindicato, a média voada no Brasil é de 500 horas/ano para cada operador, enquanto nos EUA, que têm uma frota quase 60% maior que a brasileira, a média voada é de 275 horas por operador.

Nesse cenário, o incremento do uso de tecnologia de ponta no setor, como o sistema da Perfect Flight, e a busca crescente, por parte dos produtores, de maior eficiência nas lavouras, otimiza ao máximo o uso de insumos, que representam uma parcela grande do custo de produção. Sem falar na sustentabilidade ambiental: produzir mais sem gerar um aumento de área que possa colocar em risco reservas e outras áreas ambientalmente sensíveis.

Crescimento contínuo

Desde que iniciou as operações, a Perfect Flight vem dobrando o faturamento e o número de hectares monitorados a cada ano. A AgTech conta com alguns dos maiores players do agro global como clientes (entre eles, Raízen, Amaggi, Tereos, SLC e International Paper) e, atualmente, está presente em mais de 100 cidades brasileiras, nos principais estados agrícolas do país, com mais de 56 clientes ativos – que somam um número superior a 100 unidades produtoras. Além disso, para a safra 20/21, já tem contratos com Argentina e Honduras e, ainda, está abrindo operação com os Estados Unidos.

“A Perfect Flight iniciou 2021 com uma estratégia Global para levar as tecnologias de inteligência e gestão de pulverização aérea para um novo patamar no Brasil e em todo o mundo. A proposta é acelerar a expansão internacional e levar essa inteligência, que reduz custos, aumenta a eficiência e auxilia a produção de alimentos de forma sustentável, para muitos outros países nos próximos anos”, pontua Rodrigo Iafelice dos Santos, Conselheiro Estratégico da empresa.    

Sobre a Perfect Flight

Fundada em São João da Boa Vista, interior do estado de São Paulo, pelos empresários Kriss Corso e Josué Corso, a Perfect Flight foi desenhada para suprir falhas de rastreabilidade na pulverização de defensivos agrícolas. Uma equipe de especialistas desenvolveu um sistema computacional em nuvem capaz de ler os dados gravados nos arquivos do GPS da aeronave e gerar um relatório com um mapa visual da aplicação e informações que possibilitam analisar a qualidade da ação. É uma ferramenta que permite visualizar com precisão, por meio de mapas e índices, qual foi a qualidade e o rendimento da atividade, evitando sobreposições e desperdícios.

Atualmente, o sistema também oferece um relatório ambiental, que mostra os parâmetros de segurança de áreas restritas. Além da sede em São João da Boa Vista, a Perfect Flight tem um escritório em Ribeirão Preto (SP) e faz parte do hub de inovação da Raízen, o Pulse, em Piracicaba (SP). Seguindo o crescimento da startup, em 2019, foi anunciada a entrada de um novo investidor, o empresário Norival Bonamichi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *